Gatos: minha experiência

Esses dias li um artigo sobre gatos que achei incrível! Selecionei até uma frase dele que postei no Facebook junto com essa foto:

20160506_132758

“Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não topa com o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa essa relação precária do homem com o (próprio) mistério”.

Daí, como sempre, fiquei pensando, refletindo sobre o que ela diz, e concluí que faz todo o sentido. Pela minha própria experiência pude observar como a minha relação com os gatos mudou: inicialmente eu achava eles meio metidos, anti-sociais, sei lá. Não ia muito com a cara dos gatos e era totalmente #teamcachorro. Mas daí com os vídeos de gatos na internet comecei a achar o bicho engraçado. Aos poucos fui deixando pra trás a minha desconfiança e até arriscava um carinho se algum bichano se aproximasse.

Até que ~tchrãm~ Nikki apareceu. No meu primeiro dia de casa nova o Rafa estava saindo para trabalhar e me avisou que tinha uma coisinha no nosso quintal, quando vejo, um gatinho, de olho azul, assustado com o barulho do portão que quase o esmagou. Meu instinto foi abaixar e fazer aquele pschi-pschi pra atrair, e ele veio (eu ainda chamava de “ele” porque não tinha a mínima ideia do sexo do bichinho). Fiquei um pouco receosa, mas o bicho me acolheu, começou a andar atrás de mim por onde fosse. A ideia inicial era colocar pra fora o bicho e voltar à vida normal. Mas quem disse que eu tive coragem? Fiquei imaginando o bichinho na rua, sem comida, sem abrigo, e acabei ficando com ele. Ainda não sabia ao certo se iria oferecer pra adoção ou ficar, mas a rua não era mais uma opção.

Mas gente, o que esse bicho come? O que faço com essa coisinha? Apelei pra uma amiga que já tem gato e ela me explicou que podia dar ração mesmo (gente, isso é tão óbvio né, mas eu realmente não sabia por onde começar com um gato!). Logo já fiquei preocupada em verificar se estava tudo bem, e coloquei ela no carro pra procurar um veterinário. No caminho encontrei uma pessoa que já identificou pra mim que era “ela”, nisso eu já estava chamando de Nikki, pois era um nome unissex e que combinava (talvez se fosse gato seria Nick, como o loirinho do Backstreet Boys – que não era o meu preferido, sempre gostei do esquisitinho do Brian). No fim das contas fui até o mercadinho, comprei uma ração e desisti do veterinário naquele dia. Mandei uma foto pro Rafa e já avisei que tínhamos uma nova companheira.

Bom, algumas coisas aconteceram depois disso, mas pra não ficar um post imenso vou parar por aqui e retomar a ideia do início do texto: gatos são especiais e relacionar-se com eles é especial. É preciso ter respeito acima de tudo. Eles são muito independentes, tem momentos e momentos, e saber lidar com isso não é fácil. É bem interessante pra notarmos como lidamos com nós mesmos e com os outros (dê uma olhada no artigo completo linkado lá em cima que irá entender melhor).

Enfim, estou muito feliz de ter sido adotada pela Nikki. Creio que nada acontece por acaso, e que se ela veio e ficou é porque este é o momento certo. Que eu possa seguir aprendendo com ela a cada dia e que essa convivência possa refletir positivamente em quem eu sou.

Beijos!

Anúncios

11 comentários em “Gatos: minha experiência

  1. Oi, legal saber sobre vc com sua gatinha. Eu também tenho gatos e amo de paixão, são uma bênção na vida da gente! Amo animais no geral heheh mas gatos mais ainda :-) São companhia, são “travesseiro” bem fofos…..são anjos!!

    Curtir

    1. Que bom que gostou :)
      Acabei de ver no seu blog que está começando agora, seria legal falar dos seus gatinhos!
      Beijos!

      Curtir

  2. Oli, que legal saber da sua história com sua gatinha!
    Passei a gostar de felinos depois de grande, mas os acho super inteligentes, e muito mais independentes que cachorros (além de serem lindos!).
    Beijos

    Curtir

    1. Lari, acontece deles adotarem a gente, mas também podemos nós adotá-los! Não sei se na sua cidade é assim, mas aqui na minha sempre tem muuuitos gatinhos precisando de um lar, tem feiras de adoção, grupos e páginas do Face que divulgam… De repente você indo até uma feira pode encontrar o seu gatinho e ele encontrar vc *-*

      Curtir

Comente!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s