Vamos Falar Sobre Democracia

Já disse aqui antes que sou um pouco reservada quando há assuntos polêmicos. Muitas vezes não quero me expor a ataques de pessoas contrárias à minha opinião, e em alguns casos sequer tenho uma opinião formada (porque acredito que pra isso é necessário ter informação, estudo, conhecimento e não apenas sair reproduzindo coisas prontas).

O caso é que hoje fui convidada através desse vídeo a botar a cara no sol.

E pude ver o quanto é importante esse ato, pois quando nos omitimos em assuntos tão importantes, deixamos de contribuir para o diálogo, deixamos de oferecer visões diferentes àqueles que só conhecem o caminho manipulado oferecido pela grande mídia, que “fica falando uma coisa na cabeça dos outros até aquilo virar uma verdade” (Teuda Bara).

Então vou botar minha cara no sol pela DEMOCRACIA.

Como diz o Gregório no vídeo “a democracia precisa ser regada todos os dias”. E a democracia em nosso país é tão novinha… Como podemos tirar a legitimidade de uma eleição com argumentos rasos e insuficientes? Como podemos fechar os olhos para o fato de que o processo de impeachment é regido pelos mais sujos corruptos do Congresso? Como podemos entregar nosso país nas mãos de um vice que tem mostrado sem pudor a sua face golpista e seu desejo pelo poder acima das leis previstas na Constituição?

Posso me arriscar a dizer que muitos de nós estão fazendo isso por ódio. Pela cegueira que o ódio pela presidenta Dilma e pelo PT vem causando. Às pessoas chegam ao ponto de se agredirem nas ruas. Tem gente perdendo o controle.

Mas peço, esqueçam um pouco a questão partidária, esqueçam o desejo ardente de tirar o PT do poder e reflitam: É mesmo válido fazer isso a qualquer custo? É válido substituir os corruptos do PT por corruptos de outros partidos? É interessante colocar no poder pessoas que já indicam um combate aos direitos humanos?

Pense bem em tudo que está em jogo. Olhe um pouco além do seu umbigo.

Sugiro que se faça algumas perguntas e pesquise bem caso ainda não saiba a resposta: Quem está a frente do processo de impeachment? O que essas pessoas ganham com isso tudo? Quais as pautas que essas pessoas apoiam? Quem elas realmente representam? Por que elas defendem a manutenção do financiamento privado de campanha? O que acontece quando uma empresa coloca dinheiro na campanha de um político? Por que a conquista de direitos humanos é uma afronta para essas pessoas?

PENSA, GALERA! Tem muita coisa “estranha” aí no meio. E quando negligenciamos essas informações, negligenciamos o futuro do nosso país.

É sempre bom lembrar que ser contra o impeachment não é ser a favor do governo Dilma, ou do PT. Sou contra o impeachment por ser a favor da democracia. Sou contra o impeachment por não querer entregar o país para políticos que defendem pautas que não me representam (e que não representam a maioria do povo brasileiro que demonstrou, em eleições, qual era a sua vontade).

Sou contra o impeachment porque quero REFORMA POLÍTICA DE VERDADE e não tirar presidente a qualquer custo pra fingir que agora tudo vai ficar bem.

Então vamos falar sobre democracia acima de tudo. Vamos falar sobre política. Mas vamos falar de tudo isso com uma visão mais ampla que não se resume à direita e esquerda, à PT e PSDB, à vermelho e verde e amarelo. Vamos refletir sobre nossas fontes de informação. Vamos observar os interesses que podem estar por trás das ações. Vamos pensar se não somos nós mesmos egoístas em nossas posições políticas. Vamos enxergar as nossas corrupções diárias e tentar minimizá-las. VAMOS LUTAR JUNTOS PELA DEMOCRACIA!

Esse processo não vai ser fácil. Esse processo não vai ser rápido. Nossa, acabei de lembrar de uma música perfeita pra esse momentos do post:

“Rápido a tv te entope de banalidades
Lento uma leitura certeira te dá um levante” 

Continuando… O processo é lento, mas necessário. É um processo que pode nos levar muito além, e que se tentarmos pegar certos atalhos, pode dar muita merda.

Vamos juntos nesse processo pelo fim da corrupção, vamos juntos nesse processo de fortalecimento da democracia. 

Mas vamos pensando na totalidade, vamos cientes de que não é um ato somente que vai transformar toda a realidade. Vamos trabalhar nos espaços que circulamos para transformar aos poucos, melhorar as coisas no nível micro, pra que tudo vá melhorando até chegar no macro. Vamos fazer a nossa parte antes de qualquer coisa.

Por mais críticas que eu tenha sobre o governo Dilma, e por mais que eu saiba que muita gente vai torcer o nariz, selecionei uma frase dela pra fechar esse post:

“Fora do voto popular qualquer governo será sempre a tirania. A tirania dos mais fortes, dos mais espertos, dos mais ricos, dos mais corruptos.” (Dilma Roussef) 

FIQUE ATENTO!

Vamos falar sobre ALTERIDADE

Sim, essa categoria ficou parada por um bom tempo, mas volta com um tema que considero muito interessante e necessário: alteridade.

holding-hands-858005_960_720

Confesso que fui compreender o significado dessa palavra apenas em 2014, quando, no meu primeiro ano de mestrado, fiz uma disciplina chamada “Dialogar con el otro” (o professor era argentino, por isso o título em espanhol!) que abordou o tema. No fundo eu já sabia o que era a coisa, mas não sabia que essa palavra tinha esse significado. E isso foi essencial para mim tanto no sentido acadêmico quanto pessoal.

Com relação ao meu trabalho acadêmico, entender a alteridade foi importante por proporcionar um melhor entendimento sobre a relação entrevistador-entrevistado, esse relação entre o eu e o outro, que no caso da pesquisa científica envolve uma série de especificidades, como a tentativa de uma neutralidade que, na minha opinião, será sempre um tentativa, já que todos nós trazemos nossas características e crenças que dificilmente são neutras. Entendo a possibilidade da neutralidade como a busca por minimizar a influência direta nas respostas de uma entrevista, por exemplo. Nesse caso sim, creio que é possível e necessário para que possamos nos aproximar da realidade que queremos compreender, e não tirar desse contexto apenas aquilo que nós achamos que existe. Mas também acho importante que tenhamos essa percepção da nossa não-neutralidade, para que possamos entender melhor as nossas próprias expectativas, bem como compreender o porquê de certas atitudes, falas e crenças do outro.

Não sei se ficou muito confuso, mas tentando explicar de forma mais simples, a ideia é tentar não influenciar no resultado da pesquisa, não influenciar a pessoa a falar aquilo que queremos escutar, e sim deixar espaço para que ela coloque a perspectiva dela, o seu próprio entendimento das coisas a partir de suas vivências, estando cientes de que essa perspectiva da pessoa está ligada às suas experiências anteriores, ao contexto em que está inserida.

Quanto ao aspecto pessoal, creio que para todos nós seja importante pensar a alteridade em nossas relações. Acho que tem muito a ver com o respeito ao próximo. Ter essa noção de que existe um “eu” e um “outro” nos faz observar que nem tudo é visto somente a partir da nossa própria perspectiva. O outro teve outras experiências, esteve em outros lugares, outras situações, conviveu com outras pessoas. Portanto, provavelmente seremos diferentes em alguns aspectos. Mas a diferença não é necessariamente ruim, e nesses casos precisamos aprender a lidar respeitosamente com isso.

Pra mim, alteridade tem a ver com a compreensão das diferenças, e com a aceitação de que o diferente não é sempre errado, logo, não devemos pensar apenas em nossas crenças, opiniões e posturas como certas, únicas e mais importantes, mas sim como uma das possibilidades em meio a tantas outras que podem fazer muito sentido para outras pessoas. Acredito que com essa percepção podemos ter mais paz em nossas relações cotidianas, ser capazes de atos de compaixão e ter o respeito como guia de nossas ações.

interview-1077974_960_720

Leituras recomendadas:

Para quem tem interesse numa abordagem antropológica da ideia de alteridade, recomendo O nativo relativo de Eduardo Viveiros de Castro. É um texto mais acadêmico, que me ajudou muito a pensar na relação pesquisador-pesquisado. Texto disponível aqui.

Para quem quer uma leitura mais filosófica, voltada para a humanidade e o cotidiano, recomendo esse texto de Frei Betto sobre alteridade, texto que descobri quando escrevia esse post e do qual gostaria de destacar uma parte que creio explicar muito bem a alteridade através da generosidade:

Só existe generosidade na medida em que percebo o outro como outro e a diferença do outro em relação a mim. Então sou capaz de entrar em relação com ele pela única via possível – porque, se tirar essa via, caio no colonialismo, vou querer ser como ele ou que ele seja como sou – a via do amor, se quisermos usar uma expressão evangélica; a via do respeito, se quisermos usar uma expressão ética; a via do reconhecimento dos seus direitos, se quisermos usar uma expressão jurídica; a via do resgate do realce da sua dignidade como ser humano, se quisermos usar uma expressão moral. Ou seja, isso supõe a via mais curta da comunicação humana, que é o diálogo e a capacidade de entender o outro a partir da sua experiência de vida e da sua interioridade.

-Frei Betto

E aí, vocês já conheciam essa palavra?

Como vocês percebem a alteridade no cotidiano?

Beijos!

 

Vamos Falar Sobre: Mudanças

O primeiro Vamos Falar Sobre… de 2014 (sim, fazia um tempão que eu não postava nessa categoria!) vai ser sobre mudanças.

Nada como um novo ano para trazer mudanças pra nossa vida. Elas podem ser pequenas, grandes, banais, importantes, mas com certeza elas estão presentes e muitas vezes são inevitáveis.

Há quem se sinta muito bem com elas, quem tenha facilidade para se adaptar, e até mesmo prefira uma vida cheia delas, pra ter mais “emoção”. E há também quem tenha medo, quem sofra por elas representarem coisas que parecem não ser aquilo que gostaríamos que fosse, quem se assuste frente ao desconhecido.

Mudança de casa, de cidade, de gostos, de turma, de trabalho.

Mudanças de humor, de hábitos, de roupa, de rumo.

Muito ou pouco influentes no nosso dia-a-dia, elas estão aí.

E como tudo nessa vida, é importante buscar nas mudanças algum aprendizado, tentar crescer com elas.

Pessoalmente, passo por elas das mais diversas formas, constantemente. E tento sempre vê-las com bons olhos, ainda que muitas vezes o medo ou o fato delas contrariarem a minha vontade, queiram me levar a enfrentá-las com raiva e rancor.

Tento encontrar o limite entre o “ter as rédeas da minha vida sob controle” e o “deixa a vida me levar”. Creio que tudo em excesso faz mal. Nem muita rigidez, nem muita complacência. Equilíbrio, sobre essa linha tão fininha, tão difícil de permanecer, mas não impossível.

E vocês, como lidam com as mudanças? Quais conselhos dariam para quem está passando por uma?

Beijos!

Vamos Falar Sobre: Benefícios da Leitura

beneficiosdaleitura

Segundo o Ministério da Educação (MEC) e outros órgãos ligados à Educação, a leitura:

Desenvolve o repertório: ler é um ato valioso para o nosso desenvolvimento pessoal e profissional. É uma forma de ter acesso às informações e, com elas, buscar melhorias para você e para o mundo.

Liga o senso crítico na tomada: livros, inclusive os romances, nos ajudam a entender o mundo e nós mesmos.

Amplia o nosso conhecimento geral: além de ser envolvente, a leitura expande nossas referências e nossa capacidade de comunicação.

Aumenta o vocabulário: graças aos livros, descobrimos novas palavras e novos usos para as que já conhecemos.

Estimula a criatividade: ler é fundamental para soltar a imaginação. Por meio dos livros, criamos lugares, personagens, histórias….

Emociona e causa impacto: quem já se sentiu triste (ou feliz) ao fim de um romance sabe o poder que um bom livro tem.

Muda sua vida: quem lê desde cedo está muito mais preparado para os estudos, para o trabalho e para a vida.

Facilita a escrita: ler é um hábito que se reflete no domínio da escrita. Ou seja, quem lê mais escreve melhor.

Fontehttp://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/importancia-leitura-521213.shtml

Concordo com todos esses benefícios, e acho que o importante é vc se descobrir como leitor, descobrir o que vc curte ler, seja livros de ficção, livros acadêmicos, revistas, gibis, blogs… O bom é cultivar esse hábito pra seguir sempre aprendendo e refletindo!

Já que falamos em vocabulário, aqui tem um TESTE pra vc descobrir como está o seu. É rápido e interessante de fazer!

Eu fiz 22 pontos, o que indica um bom nível (:

Como vcs já devem saber eu me dedico bastante às leituras acadêmicas, e talvez por isso não leio muitas coisas além disso… É claro que adoro ler os blogs *-*

Mas outra coisa que acho que acrescenta muito ao nosso vocabulário são as MÚSICAS, que vira e mexe apresentam termos novos, desconhecidos, que acabamos indo atrás de saber o que significam e isso nos faz aprender!

O que vcs gostam de ler? Quais benefícios vcs conseguem identificar?

Beijos

Vamos Falar Sobre: Estudar

Como a própria Ana disse na sugestão do post: “faculdade, faculdade, estudar, estudar”.

Muita gente está nessa situação. E por mais que pareça chato e cansativo, temos que ver o lado bom. E é com essa proposta que venho fazer o post de hoje!

Às vezes a gente reclama que tem que estudar, mas não pára pra pensar que essa é uma oportunidade especial, que nem todas as pessoas tem acesso. Principalmente no que se refere à universidade, porque mesmo havendo as públicas, o sistema do vestibular ainda barra muitas pessoas.

É claro que muitas vezes é um processo esgotante, com um monte de aulas, trabalhos, provas, datas… Mas é uma etapa preciosa para o nosso crescimento e desenvolvimento. É passando por isso que vamos nos preparando para um mercado de trabalho (ou ambiente acadêmico) onde vão haver responsabilidades e pressão. E não só intelectualmente é importante, mas no aspecto social também, em termos de convivência com pessoas diferentes, com pensamentos divergentes.

E se a gente se deixa levar e não dá a devida atenção aos estudos, isso vai fazer falta no futuro.

Então se hoje, como uma pessoa devidamente graduada (uashauhsuash!), pudesse dar uma dica pra quem está sofrendo um bocado na faculdade ou na escola, seria: NÃO DESISTA, isso vai valer a pena!

Vamos Falar Sobre: Amizade entre Homem e Mulher

O tema de hoje foi sugerido pelo André Hottër! Obrigada pela sugestão (:

Continuo aceitando as sugestões de todos os visitantes, conforme expliquei aqui.

Bom, é um assunto um pouco polêmico, especialmente se você pensar na possibilidade de atração amorosa entre um homem e uma mulher, que é o que geralmente causa a ideia de que não seria possível esse tipo de amizade.

Mas eu acho que a coisa vai muuuuito além do sexo/gênero.

Primeiro ponto: nem sempre uma pessoa do sexo masculino é determinada por características masculinas, e o mesmo acontece para o feminino. E não falo só em questão de homossexualidade, mas de jeito mesmo, sabe?! Um homem pode ser sensível, uma mulher pode ser decidida, um homem pode ser direto, uma mulher pode ser carinhosa, e vice-versa em todos os casos!

Afinal, independente do sexo, da sexualidade, as pessoas são DIFERENTES.

E isso me leva a pensar que sim, é possível amizade entre homem e mulher, desde que haja afinidade, companheirismo e respeito.

Na verdade acho estes itens importantes em todo tipo de relacionamento (exceto talvez os profissionais, em que muitas vezes vc precisa  conviver com pessoas com as quais não tem afinidades, por exemplo).

Acho que a amizade depende mais de características da pessoa, em termos de personalidade, do que do fato dela ser homem ou mulher!

Então viva a amizade entre todas as pessoas  \o/

 

Beijos!

Vamos Falar Sobre: Justiça

Falar de JUSTIÇA é muito complicado. Especialmente se considerarmos que é um conceito que pode divergir de pessoa pra pessoa, afinal pode ser subjetivo, ainda que muitos concordem com seu significado em certos casos. Mas sim, cada caso é um caso, e nesses tantos a ideia/conceito pode se orientar por pontos de vista divergentes.

Vale lembrar que o intuito dessa categoria não é trazer definições científicas/teóricas sobre os temas, mas sim abrir um espaço pra que eu e vocês (através dos comentários) possamos dizer o que pensamos dos assuntos abordados.

Nesse post em especial, quero falar sobre o que penso de justiça principalmente em relação aos últimos acontecimentos de manifestações pelo Brasil, conforme disse que iria fazer no último post.

Justiça, ao meu ver, é ter os direitos garantidos. A constituição “diz” que diversos direitos devem ser assegurados, mas muitos deles não são.

E quando se fala em algo PÚBLICO? Público deveria ser do povo, para o povo, para TODOS. Mas por fim, como no transporte “público”, algumas pessoas não tem acesso, pois há um preço à pagar. Um preço que sobe, sem que suba a qualidade do serviço. Mas tá, todo mundo tem acesso à escola e hospitais… que bom, né! NÃO, não está bom! Muitos hospitais em situação precária, e o ensino então… professores sem reconhecimento, passando por situações de violência dentro da sala de aula, entre tantas outras coisas.

E pra quem ainda não “caiu na real“, nós pagamos IMPOSTOS muito altos, que deveriam garantir esses serviços “públicos” a todos e com qualidade. No fim das contas, é sobre INJUSTIÇA.

Não me parece justa a situação em que a maior parte da população brasileira se encontra hoje. E não, não tô falando de mim, eu tô muuuuito bem perto de muita gente! Eu tenho acesso à internet, à informação, à educação pública (porque tive educação privada que me proporcionou isso!), à plano de saúde… Sou atingida pelos problemas de transporte público poucas vezes por semana… Mas penso nas milhares de pessoas que pegam ônibus, metrô e trem lotados todo santo dia pra ir trabalhar, pra ganhar um salário mínimo (mínimo de pequeno mesmo!), depender do SUS e só ter acesso à informação através da TV, que, como sabemos, algumas vezes manipula as informações.

Então, o que posso dizer que tenho visto no Brasil, é uma imensa injustiça, uma desigualdade que permite aos governantes certos luxos, enquanto um trabalhador tem que “se virar” com um salário mínimo. E isso é realmente triste!

Fica portanto a proposta de reflexão, já que estamos num momento de “acordar” para a realidade do país e lutar por melhorias!

Desafio!

Pessoal, como estou sem tempo pra postar, resolvi lançar um pequeno desafio à vocês!

Lancei recentemente a categoria “Vamos Falar Sobre”, se lembram?!

Já falei sobre algumas coisas como Amizade, Futebol, Mãe…

Mas agora gostaria muito de ter sugestões de vocês *-*

Como viram, eu pego temas mais gerais, e falo o que penso sobre eles, sem nenhum tipo de “pesquisa científica” sobre o assunto nem nada, é mais uma questão de opinião mesmo, a minha inicialmente, e a de vocês, que espero encontrar nos comentários!

Enfim, peço que pensem em temas e me sugiram (:

Assim que possível estarei de volta trazendo minhas considerações sobre o que vocês sugerirem, queridos!

Participem!

Beijão

Vamos falar sobre: Amizade

Pra mim amizade tem muito a ver com verdade.

Amigo é aquele que vai ser sempre sincero com você, que quando precisar vai chamar sua atenção quando você estiver fazendo algo errado, e não ficar passando a mão na cabeça e concordando com tudo o que você diz. E vai saber também quando você precisa de colo, de carinho e conforto. E vai compartilhar alegrias de uma forma inigualável, e te dar suporte nos momentos de tristeza… E vai te respeitar, acima de tudo!

É… pra mim amizade tem a ver com tudo isso, e talvez por isso seja difícil ter amigos “de verdade” com tanta gente de mentira pelo mundo, mas pelo menos os amigos verdadeiros serão pessoas tão especiais que te farão valorizar a qualidade! Afinal, relacionamentos não devem se ligar a status, muito menos serem levados adiante por obrigação. É importante ter afinidade, amor, não o amor romântico dos namorados, mas o que se expressa através do carinho, do afeto. Aquele amor que te faz se preocupar com a pessoa, querer saber realmente se ela está bem, querer ajudá-la a ficar bem, compartilhar experiências, angústias, medos, emoções, felicidade, conversas, momentos…

Posso dizer com certeza que amizade é um dos pilares da vida!