2017 chegando ao fim (isso não é uma retrospectiva)

O fim de 2017 pode ser uma notícia boa ou ruim pra você dependendo de muitos fatores.

Se focarmos nas coisas boas, os últimos dias do ano podem ser ideais para finalizarmos pendências, resolver aquilo que ficou pelo caminho pra começar 2018 com tranquilidade. Pode ser também aquele momento para refletir sobre as coisas que aconteceram ao longo de 2017, lembrar bons momentos e ver que até mesmo os ruins serviram de alguma forma pelo aprendizado que trouxeram.

Pra mim esse ano pode ser resumido como INTENSO. Aconteceu tanta coisa que eu nem me lembro direito. Mas me lembro de que antes dele eu tinha muito mais insegurança e medo por aqui. Em 2017 eu passei a me sentir mais confortável em sala de aula, mais segura comigo mesma, seja com meu corpo ou com quem eu sou num aspecto de personalidade. Em 2017 eu compreendi algumas coisas importantes que fizeram com que meus relacionamentos, em geral, melhorassem. Acho que aprendi mais sobre empatia, e sobre como todos nós temos qualidades e defeitos, podendo ser incríveis em certas coisas e horríveis em outras, e tudo bem.

Em 2017 eu me joguei totalmente na jornada interior, nessa busca por me entender melhor e assim conseguir fazer mudanças (ou pelo menos tentativas) no sentido de me tornar alguém melhor. Li uns bons livros e tem vários já começados pra continuar mantendo esse bom hábito pra 2018. Comecei a fazer acupuntura e essa é mais uma daquelas coisas que vou recomendar pra todo mundo.

Em 2017 eu fiz amigos, me envolvi em projetos, viajei, planejei, dei aulas, fiz mandalas, estive com pessoas que eu amo demais. Eu me aprofundei no sentimento de gratidão e vi a sincronicidade acontecer diante de mim. Me fortaleci como mulher e agradeço às mulheres inspiradoras que encontrei pelo caminho e que me deram tantas lições importantes.

Enfim, tenho tentado cada vez mais praticar o “estar no presente“, deixando o passado lá pra não ficar remoendo coisas e aguardando o futuro com muita ansiedade, já que sobre ele nada se sabe. Mas essa época do ano acaba reunindo algumas lembranças e algumas projeções, por isso quero aproveitar pra encerrar 2017 com bons sentimentos, gratidão principalmente por tudo o que vivi e aprendi. Assim, que 2018 possa chegar com esses mesmos bons sentimentos e com todas as boas novas que um ano novo pode trazer!

Celebração, Festival, Sparkler, Fogos De Artifício

FELIZ 2018 PRA NÓS!

 

Anúncios

Meus livros para 2017

Em geral eu não sou muito de ler livros completos. Sempre estou lendo capítulos, trechos, principalmente dos conteúdos teóricos relacionados ao temas das minhas aulas. Por ter essa “obrigação” de ler, muitas vezes a leitura não era aquilo que eu queria fazer nas horas de lazer.

Mas ano passado a coisa começou a mudar um pouco, pois me interessei bastante por temas voltados à espiritualidade, consciência, autoconhecimento. Esse interesse me fez ler, no ano passado, dois livros que gostei muito: Manual de Instruções da Ressonância Harmônica, de Hélio Couto e Saúde das Emoções, de Alírio de Cerqueira Filho.

Daí comecei o ano de 2017 ganhando o livro Mãos de Luz, de Barbara Ann Brennan do meu pai e também comprei mais alguns livros que vou contar com detalhes pra vocês!

Atenção plena em poucas palavras – Dra. Patrizia Collard

Um livro fofo, acho que seria a melhor definição. As ilustrações são lindas, o conteúdo é bem claro e objetivo e ele é pequenino, cabe  na palma da mão. Recheado de exercícios focados na prática da atenção plena, é um caminho para o autoconhecimento através dessas meditações rápidas que já representam um grande passo para quem tem dificuldades de se desligar da correria do cotidiano.

Um novo mundo: o despertar de uma nova consciência – Eckhart Tolle

O que dizer desse livro que mal conheço e já considero pakas? Eckhart Tolle já é muito conhecido pelo livro O poder do agora, mas confesso que lendo a descrição de ambos, me interessei mais por esse que comprei, deixando o famoso pra depois. Acho que foi uma boa escolha, pois estou adorando o livro, o conteúdo e a organização em capítulos pequenos (que nos permite ler em pequenas pausas na correria do dia) me conquistaram muito!

Mulheres, comida e Deus: uma estratégia inspiradora para quase tudo na vida – Geneen Roth

Olha, sinceramente eu li muito pouco desse livro pra poder emitir opiniões. Então vou contar o que me levou a pegá-lo na prateleira e trazer pra casa: na verdade foi bem por acaso que bati o olho nele numa prateleira que fui olhar pra desviar de uma pessoa que passava na livraria. Quando li esse título fez todo o sentido pensando no meu momento de vida: sou mulher, estou tentando entender e melhorar minha relação com a comida e com Deus/espiritualidade.

O livro da Sociologia – Coleção As grandes ideias de todos os tempos

Dessa vez esse foi o único livro escolhido por objetivos profissionais. Achei um livro bem dinâmico, com resumos interessantes de temas importantes na sociologia que posso inclusive usar para preparar aulas ou até mesmo propor leitura aos alunos. Encontrei temas já conhecidos e outros nem tanto, o que é bom! Gostei bastante do fato de ter fotos, quadros, esquemas… acho que facilita a compreensão de uma forma mais leve do que com texto extensos.

 

E aí, o que estão lendo nesse ano? Me contem nos comentários!

Beijos!

Queridinhos de 2016 – Música

Olar gentem! Tudo certo?

Fim de ano chegou e como amante das listas que sou, resolvi fazer esse post com meus sons preferidos em 2016. Pretendo fazer listas de outras coisas, mas não prometo nada… rsrsrs!

Lembrando que essa lista não é necessariamente de músicos/álbuns lançados neste ano, mas sim daqueles que mais ouvi ou que mais me marcaram nesse ano lindo. E também quero dizer que não está em ordem de preferência, a ordem foi só conforme fui lembrando mesmo! Hahaha

Vamos lá:

Liniker (& Os Caramelows)

Essa lindeza apareceu na minha vida ano passado com a música mais grude: Zero. E permaneceu porque faz um som maravilhoso, e por ser uma pessoa lacradora destruidora de padrões de gênero!

Braza

Na verdade não lembro direito como descobri o Braza, mas só depois de já estar curtindo fiquei sabendo que é uma banda composta por integrantes do Forfun que já era uma banda que eu curto há um tempo. Esse é o tipo de som que faz a gente pensar, refletir sobre coisas muito além daquilo que vemos no cotidiano.

Nomade Orquestra

Indicação da Gringa (sempre manda bem nas dicas musicais!), ouvi muito pra preparar aulas, corrigir provas… Instrumental é muito bom pra atividades intelectuais, acho que porque não interfere nos pensamentos de uma forma ruim :)

Tássia Reis

Essa também foi recomendação da Gringa e pra ajudar tive o prazer de ver essa moça divar numa participação do show d’As Bahias e a Cozinha Mineira (gente, elas são incríveis, não estão na lista porque não escuto muito, mas recomendo que conheçam!). Super delicinha esse som!

Black Alien

Tive que deixar os dois álbuns porque ouvi muito os dois! Depois que o rap me conquistou sempre tem um som desse tipo nas minhas playlists, e é um dos sons que mais me faz pensar nas coisas. O Black Alien fala de questões sociais a espirituais, e tudo isso tem feito muito mais sentido pra mim ultimamente.

E vocês, o que ouviram bastante esse ano?

Aceito recomendações :D

Beijos!